Gohan
Gohan

 

O arroz é considerado como o alimento básico nas refeições em diversos países, desde nações ocidentais até as orientais, havendo certas variações e finalidade, mas ainda sim presente diariamente nas dietas de inúmeras regiões e culturas.
No Brasil, o arroz mais produzido é o “agulhinha”, consumido largamente dentro do país. Este apresenta propriedades e características distintas do arroz japonês, também conhecido como nihon mai ou popularmente batizado de Gohan pelo povo japonês. Há dois tipos de nihon mai, uma variação com grãos mais arredondados e outro denominado como “catete”, semelhante ao “agulhinha”, contudo mais curto. Apesar da ocidentalização de costumes no Japão, o gohan ainda é o alimento principal nas refeições dos japoneses. E em algumas regiões o termo gohan refere-se até mesmo o momento da refeição a ser realizada.

 

Tipos de arroz
Tipos de arroz

 

Origem do gohan

Ao que tudo indica o gohan surgiu a mais de 3000 anos atrás, entre a era Jomon e a Era Yayoi (300 a. C. à 300 d. C), onde o grão foi introduzido no arquipélogo pelo norte da ilha de Kyushu vindas por meio das influências chinesas . O cultivo de arroz foi determinante para a mudança social e cultural dos nativos, pois foi através deste alimento possibilitou o fim do nomadismo dos povos japoneses, e o desenvolvimento da agricultura no país.

 

Superstições e crenças do arroz

O gohan é um alimento embasado em diversas crenças e rituais providas do Oriente. Constantemente é dado as divindades como oferenda e em diversas religiões creem que cada grão de arroz abriga 88 deuses, outros acreditam que estes variam de 7 a 108 divindades. No caso da religião shintoísta, os representantes religiosos utilizam a palha do arroz como uma maneira de sinalizar locais ou criaturas que sejam habitadas por deuses.
Diversos festivais tradicionais ocorrem no periodo de plantio e colheita (na primavera e no outono), estas festividades acontecem no verão e servem para pedir aos deuses clima propício e boa chuva para beneficiar a produção. Sendo que no final do ano a comunidade faz mochi (bolinho de arroz) e comemoram com ozouni (ou sopa com mochi), para estimular a prosperidade do novo ano.

 

Ozouni, a sopa da prosperidade
Ozouni , a primeira refeição do ano.

 

O alimento que fez a história no Japão

Por muito tempo o arroz era classificado como artigo de luxo. Isto se deve pela dificuldade no plantio do grão, que exige terra rica em nutrientes em regiões montanhosas ou frias e necessitavam de muita água para seu desenvolvimento, comumente plantada em charcos ou brejos.

 

Rizicultura no Japão
Rizicultura no Japão

 

Durante o período feudal o arroz tornou-se tão importante que substituiu o papel da moeda, sendo utilizada como pagamento aos samurais e utilizado como uma forma de medir a riqueza do senhor feudal, quanto mais arroz estocado; maior seria a sua fortuna. Até a era Edo o arroz branco era muito escasso, sendo a variedade mais consumida o integral ou semibranco. Este era ingerido misturado com soba (trigo sarraceno), awa (painço) ou hie (sorgo). Além desta mistura, a alimentação recebia outros ingredientes como milho, batata, feijão e nabo. O arroz branco puro era consumido somente em ocasiões especiais como no Ano Novo e Finados (Obon).

 

Pintura ukiyô-e de Hiroshige representando o arrozal frente ao monte Fuji.
Pintura ukiyô-e de Hiroshige representando o arrozal frente ao monte Fuji.

 

Em épocas de guerra, praticamente a população não tinha acesso ao gohan, este eram substituído por batatas, abóboras, vários tipos de raízes ou até mesmo o caule destas eram utilizadas como alimento. Essa realizada só se amenizou no período de pós-guerra, quando houve a recuperação da produção da rizicultura (produção de arroz), assim como houve o crescimento de 50%, comparado com as temporadas providas antes da guerra).

 

Exploração do arroz

Apesar da queda no consumo de arroz no Japão, devido a onda ocidental que vem se extendido no país, a exploração dos produtos geridos pelo arroz é muito vasta, variando desde alimentos até maquiagem. Em algumas cidades como Inakadate, os campos de arrozais são utilizados como quadros, nestes são feitos réplicas de diversos ícones artísticos como obras clássicas renascentistas, reprodução de pinturas em ukiyô-e até figuras históricas e políticas, tornando pontos turísticos durante o verão.

 

Plantação de arroz em Inakadate.

REFERÊNCIAS:
http://www.nippobrasil.com.br/culturatradicional/553.shtml
http://jardim-das-hesperides.blogspot.com.br/2010/01/arroz-japones-gohan.html
http://www.culturajaponesa.com.br/?page_id=504