O bairro da Liberdade está localizado na região central da cidade de São Paulo. Considerado como o distrito de maior concentração da comunidade asiática do município.

 

bairro da liberdade
Entrada do Bairro da Liberdade

 

Esta área antes da ocupação pelos imigrantes era relembrada com muito pesar e repúdio, pois era o local conhecido como Campo da Forca, onde escravos e transgressores eram mortos enforcados, sendo esta a única maneira de conseguir a “liberdade”.

Após o término contratual dos imigrantes japoneses com os colonos e diante das dificuldades de adaptação cultural (como problemas de adequação linguística, de comunicação e de alimentação), inúmeros nipônicos saíram das fazendas e passaram a se instalar em outras cidades ou nas capitais. O êxodo para o centro paulista se iniciou em 1912, onde esses imigrantes começaram a se estabelecer na rua Conde de Sarzedas, na época a via apresentava uma decida declivosa, havia também um pequeno riacho na parte mais baixa do local e o predomínio de mangues na região.

A concentração dos nipônicos nesta localidade se deu sobretudo devido ao baixo custo ds moradias comparado a outras regiões da capital paulista, no bairro muitas residências apresentavam muitos quartos possibilitando abrigar várias famílias. Outro aspecto que motivou e atraiu os japoneses foi a viabilidade de sublocação das casas para terceiros, o que tornava ainda mais barato as despesas e gastos, além disso, o local apresentava ponto privilegiado, facilitando a locomoção e transporte por toda região central. Logo, os imigrantes japoneses começaram a ocupar porções centrais e ao norte do bairro, como a rua principal Conde de Sarzedas, Galvão Bueno, Tabatinguera, Conde de Pinha, Tomás de Lima, Conselheiro Furtado, Irmã Simpliana, Estudantes, Glória, Carolina Augusta, Oliveira Monteiro, João Carvalho e São Paulo.

 

confeitaria no bairro da liberdade
Estabelecimentos comerciais na Liberdade da década de  40

 

Na rua Conde de Sarzedas havia uma grande concentração de moradias com porões, e nestes ambientes surgiram as primeiras barbearias e as primeiras casas de comida japonesa, somente em 1914, abriram as primeiras pensões e armazéns nipônicos, até hotéis como o Hotel Ueji situado na rua Estudantes.

Em 1915 foi fundada a primeira escola de japonês da capital paulista a Taisho Shogakko (Escola Primária Taisho), esta auxiliou na educação dos nikkeis oferecendo aulas de japonês e também de português a aproximadamente 300 alunos. No mesmo ano foi fundado o Consulado Geral do Japão na rua Augusta.

Em 1932, já havia cerca de 2 mil japoneses em São Paulo, e aproximadamente 600 deles moravam na rua Conde de Sarzedas. Contudo, esta ocupação cessou com o início da Segunda Guerra Mundial, este evento desencadeou então a proibição da publicação dos jornais em língua japones, o rompimento das relações diplomáticas com o Japão ordenado do presidente Getúlio Varga, fechando o Consulado Geral do Japão. No dia 6 de Setembro, o governo determinou a evacuação dos japoneses residentes nas ruas Conde de Sarzedas e Estudantes. Apenas em 1945, com a rendição dos japoneses e o fim da guerra a situação das restrições por toda colônia nipônica e as evacuações ocorridas foram normalizadas. Desta maneira, os japoneses voltaram a abrir suas lojas e comércios, retomando a ocupação do bairro da Liberdade.

 

bairro da liberdade em 1962
Bairro da Liberdade em 1962 em meio aos preparativos de recepção do príncipe Akihito.

 

Somente em 1946, foi possível a fundação do jornal São Paulo Shimbun, e em 1947 o Jornal Paulista.

No ano de 1953, foi fundado o primeiro cinema do local, batizado como Cine Niterói por Yoshikazu Tanaka, onde eram exibidos semanalmente filmes diferentes, estes eram produzidos e importados do Japão. Além disso, o prédio de 5 andares onde situava o cinema também comportava um salão, um restaurante e também um hotel.

Em 1964 foi inaugurado o prédio da Associação Cultural Japonesa (Bunkyô)de São Paulo localizado entre as ruas do bairro, São Joaquim e Galvão Bueno. No ano posterior foi fundada da Associação Cultural e Assistencial da Liberdade (ACAL), com o intuito de defender os interesses do bairro diante as autoridades do município e estado. Em 1974, passou a ser denominada oficialmente de Associação dos Lojistas da Liberdade.

 

Mudanças urbanas na Liberdade

O final da década de 60 e o início dos anos 70, foi marcado por intensas mudanças urbanísticas, um dos fatores que motivou estas alterações foi a construção da estação Liberdade de metrô e também o alargamento de algumas ruas como a Conselheiro Furtado, que obrigou a saída de alguns estabelecimentos comerciais, como o Cine Niterói que passou a ser abrigado na avenida Liberdade com a rua Barão de Iguapé (atualmente é ocupado pelo Hotel Barão Lu).

Desde então outros imigrantes, como chineses e coreanos passaram a se inserir e se fixar no bairro, enriquecendo culturalmente o local e também fortalecendo co comércio. Ainda na década de 70, foi organizada uma feira típica oriental realizada na tarde de domingo, onde até hoje ela acontece, e também deu início ao funcionamento da Rádio Taissô.

 

feira no bairro da liberdade
Feira no Bairro

 

Já nos anos 80 e 90, o bairro da Liberdade passou a atender as atividades noturnas como a inserção de boates e karaokês.

Atualmente, o bairro da Liberdade é considerado como um dos principais pontos turísticos da cidade e o reduto da cultura asiática em São Paulo. O local dispõe de restaurantes de comida asiática, mercados especializados em produtos típicos e grande variedade de lojas de diversos segmentos. Anualmente grandes eventos ocorrem no bairro, como o Ano Novo Chinês e o Festival Tanabata.

 

mercado bairro da liberdade
Mercado típico

 

izakaya no bairro da liberdade
Izakaya no Bairro da Liberdade

 

Em 2007, os cineastas Maurício Osaki e Miriam Ou, produziram o documentário “História do Bairro da Liberdade”, que conta o desenvolvimento do bairro pelos próprios moradores, este filme recebeu patrocínio do projeto “História dos Bairros”, das secretarias de Cultura e Educação de São Paulo e lançados nos Centros de Educação Unificada (CEUs) da capital paulista.

 

Documentário: A História do Bairro da Liberdade

 

 

REFERÊNCIAS:

https://revistacontemporartes.blogspot.com.br/2012/11/premeditando-o-breque-embala-sao-paulo.html
http://checkinsaopaulo.com/o-bairro-da-liberdade/
http://www.culturajaponesa.com.br/?page_id=312
http://www.encontraliberdade.com.br/liberdade/
http://www.overmundo.com.br/overblog/a-liberdade-redescoberta-no-cinema
http://www.imgrum.org/media/1617608735030503326_1532575005
http://vidartec.blogspot.com.br/2012/07/sao-paulo-de-hildegard-rosenthal.html
http://tawbyfeblackbird.blogspot.com/2013/06/liberdade.html
http://www.discovernikkei.org/pt/nikkeialbum/albums/519/slide/?page=10
https://vejasp.abril.com.br/estabelecimento/izakaya-issa/

 

BOSSI, Diego Segobia. Bairro da Liberdade e a imigração japonesa: a idéia do Bairro Japonês. Revista Cordis: Revista Eletrônica de História Social da Cidade.

GÓES, Véra Lúcia de. Bairro da Liberdade: a influencia de uma cultura milenar na reconfiguração de um bairro. I VI Simpósio Nacional de História Cultural.Escritas da História: Ver – Sentir – Narrar. Universidade Federal do Piauí – UFPI. Teresina-PI